Friday, August 26, 2011

Nas últimas semanas

Quem é vivo sempre aparece, dizia o sábio poeta.

Tô viva e muito ocupada, cheia de coisas pra fazer. Ai resolvi fazer um postinho com três principais acontecimentos das últimas semanas da minha life.

Verão, galera! Fomos pro lago aqui pertinho andar de jet-ski.

 
Comprinhas e muita comida boa pra comemorar o aniversário da Jessica, que foi dia 1 de agosto.

E tcharaaaam a melhor de todas as notícias: depois de um ano procurando, finalmente compramos nossa casa! Já mudamos e tudo, agora vamos reformar pra ficar bem com o nosso jeito.

Com o tempo vou colocar mais fotos, no estilo antes e depois, sabe?

 Viu ai na foto quanta ajuda a gente recebeu? Quando é pra ajudar alguém, esse povo aqui ajuda mesmo! Não tem nada de "ahhh não posso porque tô com dor de garganta", não!

Tá, acabaram as novidades. Depois ponho mais!

Thursday, August 11, 2011

Sobre presentes

Se tem uma coisa que me incomoda profundamente em relação aos costumes aqui nos Estados Unidos, essa coisa é a tradição de abrir presentes na frente de todo mundo.

Vou ilustrar com um caso fictício e reflete o meu ponto de vista. Funciona bem assim:

Fulano de tal vai fazer aniversário. Mais ou menos um mês antes da festinha, vc recebe o convite pelo correio. Aqui convite eles enviam pelo correio. Ai vc marcano calendário pra não esquecer, se planeja, pensa na roupa que vai usar, vai na loja procurar um presente. Chega o dia e, digamos que no convite a festa comece às 6 da tarde. Então, por educação, vc chega lá certinho, pontualmente no horário, junto com todo mundo. Dificilmente alguém se atrasa. Igualzinho como é no Brasil, né?

Legal, diz oi pra todo mundo se diverte respondendo algumas perguntas que variam entre:

1. Como tá o trabalho?
2. Como vai a família no Brasil?
3. Vc sente saudade do Bradil?
4. Só isso.

Acaba o papo e vc começa a sentir saudade das festas de aniversário no Brasil, dos docinhos e coisa e tal. Ai vc se cansa disso e, pra não chorar,  começa a observar que a sua saia é a saia mais curta da festa, depois pensa na decoração da casa, pensa no calor, tenta lembrar qual era mesmo o nome daquela menina prima de não sei quem que te erguntou se era muito difícil traduzir do inglês pro espanhol as coisas. Ai logo chega a hora de cantar parabéns. Que legal, animação na galera, vamo lá! Todo mundo junto! Vc se empolga pensando que vai bater palma, respira fundo, se prepara...

Para tudo.

Começam a cantar, um happy birthday to you bem calminho e delicado, cantando baixinho, na maior vergonha hi hi pra ninguém ouvir. Shiiii!

Acabou, cantaram uma vez, suficiente. Corta o bolo, distribui. Pensa mais um pouco no comprimento da saia da galera, vai no banheiro fazer hora, volta, sorri, vamos lá, tá quase no final. Que enfim chega, a parte mais angustiante: a hora de abrir presentes.

Deve ter gente no Brasil que faz isso também, só que eu nunca vi.

Primeiro a pessoa aniversariante se senta num lugar bem visível, tipo no meio do sofá, numa cadeira na frente de todo mundo, algo do tipo. Ai alguém (ou alguéns, dependendo do tamanho da festa) leva os presentes pra perto da pessoa. E ai começa, um por um, a abrição de presentes. Um tal de oh how cute, I love this, awww pra lá e pra cá.

Agora, eu pergunto, querido telespectador: e se a pessoa não gostar do que ganhou?

Simplesmente ela mente? E se ela não souber mentir? O que ela faz? E quanto a pessoa que deu o presente, como que é? E se ela não tinha muita grana naquela semana e comprou só um lembrancinha mixuruca, só mesmo pra não ficar com cara de cocôzinho? Hein?

Ah sim! E tem que ter um cartão no presente, pra pessoa que tá abrindo olhar bem nos olhos da pessoa que deu o presente e dizer com toda honestidade "tankiuverimutchi".

Eu acho falsidade.

Isso não é costume só em aniversários. Também se abre presente em chás de panela, baby showers e até casamentos. O do casamento é interessante, fazem uma festa com todo mundo depois que o casal volta da lua de mel, e segue o ritual. Eu não fiz isso, não. Pra mim não tem experiência pior do que fingir que gostou de alguma coisa assim na cara dura. Depois que a gente voltou da lua de mel, entramos em casa, abrimos os presentes, só nós dois. E eu fui logo separando o que era pra ir trocar na loja.

Amém.